Athletic Bilbao: O protecionismo que deu certo

Nesse segundo post, falarei um pouco mais sobre a equipe basca do Athletic Bilbao, mais conhecida no Brasil como Atlético de Bilbao. O clube que se encontra no extremo norte da Espanha, está, juntamente com Real Madrid e Barcelona, em um seleto grupo de apenas três equipes que sempre disputaram a primeira divisão do campeonato espanhol.

O Bilbao manda os seus jogos no estádio San Mamés Barria, que tem capacidade para 53.289 espectadores, na cidade de Bilbao. A equipe tem em seu currículo 8 campeonatos espanhóis e 24 Copas do Rei, tendo como maior recorde de gols em uma mesma partida a vitória sobre o Barcelona por 12 x 1 na temporada 1930/1931.

O clube foi fundado em 1898 por empresários britânicos que moravam em Bilbao. Inclusive, essa é a justificativa para o nome do clube ter origem na língua inglesa. Em sua criação, a maioria dos atletas eram da elite bilbaína que retornaram à cidade após estudarem na Grã-Bretanha.

Atualmente, o clube é conhecido mundialmente por aceitar apenas jogadores de origem basca, que é um grupo étnico que se encontra no norte da Espanha e sudoeste da França. Porém, em 1911, a equipe passou a aceitar apenas jogadores bascos, após pressão de outros clubes bascos, dentre eles o atual Real Sociedad e o modesto Real Irun, que não concordavam com a ideia de que atletas britânicos pudessem jogar em um clube basco.

Mas foi durante a ditadura de Francisco Franco, que proibia o uso de qualquer outra língua que não a castelhana na Espanha, que o Atlético de Bilbao se tornou um dos maiores símbolos de resistência da etnia basca.

Além disso, a equipe basca originou o Atlético de Madrid, com a ideia de uma filial do clube na capital espanhola. Por isso tamanha semelhança no nome, escudo e uniforme.

Nacionalidade basca como exigência

O Atlético de Bilbao é, atualmente, o único clube da primeira divisão do campenato espanhol a aceitar apenas jogadores bascos ou de origem basca em suas equipes. O outro clube basco na primeira divisão, o Real Sociedad, passou a aceitar jogadores de outras nacionalidades desde 1998.

Porém, um jogador brasileiro chamado José Vicente Fernández Biurrun, nascido em São Paulo, no ano de 1959, foi o único atleta estrangeiro a atuar pelo Atlético de Bilbao, devido à sua ascendência basca. O atleta iniciou sua carreira na Real Sociedad, mas foi no Osasuna que ganhou destaque e se transferiu para a equipe de Bilbao em 1986, clube onde jogou por 4 temporadas.

Outra particularidade dessa equipe é que não existe uma exigência de que os treinadores sejam de origem basca, tendo em sua história, técnicos de várias nacionalidades, dentre eles o brasileiro Martim Francisco (1958-1960), o alemão Jupp Heynckes (1992-1994/2000-2001) e recentemente o argentino Marcelo “El Loco” Bielsa (2011-2013), que comandou o clube na disputa de uma competição internacional, a Liga Europa, na temporada 2012/2013, após mais de uma década sem conseguir a classificação, e que saiu por desentendimentos com membros da diretoria.

Foi aí que assumiu Ernesto Valverde. O treinador de origem basca deu um novo folego à equipe do Atlético de Bilbao, conseguindo em sua primeira temporada a frente do clube um 4º lugar na liga espanhola, classificando a equipe para os play-offs da UEFA Champions League.

Mas o grande questionamento é, como o Atlético de Bilbao consegue se manter na elite do futebol espanhol sem contar em seu elenco com nenhum craque do futebol internacional, e sem contar com atletas de outras nacionalidades.

Bem, a resposta está na base do Bilbao, que assim como o Southampton, tem conseguido produzir atletas de destaque no cenário internacional e no amor à camisa.

Obs: Lembrando que o Atlético de Bilbao não aceita sequer jogadores ditos apenas espanhóis ou de origem catalã, devido a conflitos separatistas que partem da etnia basca e catalã, em relação à Espanha, principalmente a capital Madrid.

Base forte é a chave para o reerguimento do Bilbao

A etnia basca possui cerca de 3 milhões de habitantes que se encontram no País Basco, em Navarra ou Iparralde, ou seja, o clube do Atlético de Bilbao precisa encontrar nesse universo reduzido de pessoas, jogadores de qualidade para que o clube continue em sua filosofia e não tenha uma queda de produção. Por isso, uma das melhores alternativas é investir nas categorias de base, com vista a produzir atletas de alto nível, e é isso que tem conseguido fazer o Bilbao nos últimos anos.

Atletas provenientes das categorias de base do clube ou que são comprados ainda jovens de equipes espanholas são responsáveis não só por levantar o nível futebolístico jogado pelo Bilbao, como também ajudam as finanças do clube, já que para se conseguir tirar um atleta da equipe basca é uma tarefa árdua, e os clubes precisam sempre pagar um alto valor para contar com atletas revelados pelo clube do extremo norte da Espanha.

Esse fato se comprova com o centroavante Fernando Llorente, revelado no clube e que jogou pelo Atlético de Bilbao entre 2004 e 2013, tendo 333 jogos e 118 gols marcados pela equipe A e 16 jogos e 4 gols marcados pela equipe B, mas que saiu sem custos para a Juventus-Ita, e com as vendas do volante/zagueiro Javi Martinez, que apesar de ter sido revelado pelo Osasuna, foi para o Bilbao com apenas 18 anos e fez 251 jogos pela equipe, marcando 26 gols, e em 2012 foi vendido para o Bayern Munique-Ale, por 40 milhões de euros e do meia-central Ander Herrera, que chegou do Zaragoza com 22 anos e ficou no Atlético de Bilbao até a metade de 2014, quando foi vendido por cerca de 35 milhões de euros, para o Manchester United-Ing.

Além disso, o clube de Bilbao possui vários jogadores com passagens pela seleção espanhola, casos de Aritz Adúriz, que tem 9 jogos e 1 gol marcado, do zagueiro Mikel San José, especulado em vários dos gigantes europeus e com passagens pelas seleções sub 19, sub 21, sub 23 e tendo 7 jogos pela seleção principal e de Joseba Exteberria, que atuou durante 54 jogos pela fúria no período de 1997 a 2004, inclusive a Copa do Mundo de 1998.

A equipe basca tem sido alvo dos grandes clubes do cenário mundial nesses últimos anos, pois conseguiu a partir de uma base forte, montar uma equipe competitiva e com jogadores de alto nível. Alguns deles já são realidade, casos de Mikel San José, Aymeric Laporte, Óscar de Marcos e Iker Munian. Outros, devemos ficar de olho, casos do defensor Auternetxe de 24 anos e do atacante Iñaki Williams, de 22 anos e o primeiro negro a marcar um gol pelo Atlético de Bilbao.

Por Gustavo Pereira

 

2 comentários em “Athletic Bilbao: O protecionismo que deu certo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s