Depois de Neymar e mercado aquecido, tudo parece ser possível!!

isco e asensio

Diversos motivos fazem com que as principais equipes do mundo tenham, atualmente, cada vez um maior poder de fogo na hora de contratar. Dentre eles podemos citar os direitos de televisão, vendas de camisas, sócio-torcedores etc. Mas para além disso, um fenômeno que vem se tornando cada vez mais comum é a compra de muitos desses clubes por milionários, ou até bilionários, sejam do Qatar, Rússia, China, e outros mais, que investem pesado afim de levarem suas equipes à glória.

Um dos casos mais emblemáticos desse fenômeno é o Paris Saint-Germain, que há anos vem gastando rios de dinheiro e contratando diversas estrelas mundiais. Entretanto, nessa temporada (2017/2018), seus investidores foram além e ignoraram as diversas recusas do Barcelona sobre o sonho de consumo, Neymar, e por incríveis 222 milhões de euros + o salário do mundo, trouxe o brasileiro para Paris.

Outras equipes como Manchester City, Chelsea, e mais recentemente, o Milan, são outros exemplos de que o investimento desses empresários tem elevado o patamar financeiro do futebol mundial.

Nem mesmo o fair-play financeiro parece ser capaz de parar essas equipes, que conseguem receita de diversas formas, inclusive com publicidade e venda de camisas. Um exemplo disso foi a contratação de Paul Pogba, pelo Manchester United, que foi possibilitada apenas com a venda de camisas do sueco Zlatan Ibrahimovic.

Pensando nisso, e tendo como caso mais emblemático Neymar, os clubes parecem se movimentar para proteger como podem os seus principais jogadores do assédio de poderosos investidores que parecem não ter limites. Como exemplo temos o também poderoso Real Madrid, que após a venda de Neymar, renovou os contratos de duas promessas de seu elenco, Isco e Asensio, por valores astronômicos. É preciso pagar incríveis 700 milhões de euros para tirar Isco dos merengues e 500 milhões de euros para comprar o jovem Asensio.

Além do Real Madrid, outros clubes parecem estar dispostos a criarem um plano de renovação de contratos de suas estrelas e promessas, afim de protegê-los de assédios dos grandes empresários do ramo futebolístico.

Por Gustavo Pereira

 

Anúncios

Corinthians vence a Taça Ouro e fica com a última vaga da Superliga A 2017/2018

corinthians volei.jpeg

A Taça Ouro ocorreu em General Severiano, casa do Botafogo, entre os dias 11 e 13 de agosto, e com 7 pontos, o Corinthians/Guarulhos conquistou o título da competição e a vaga para a Superliga A da próxima temporada.

A competição inicialmente teria 7 equipes, entretanto, 3 delas desistiram da disputa e a vaga ficou entre Botafogo, Caramuru/Castro, Corinthians/Guarulhos e Rádio Clube/AVP. Pelo regulamento, todos jogavam contra todos e o maior pontuador asseguraria a vaga para a Superliga.

Dentre as ausências, destaca-se o Clube Jaó, de Goiânia, que foi vice-campeão da Superliga B, Upis, de Brasília, dentre outras equipes que disputaram a Superliga B.

A outra curiosidade ficou por conta da presença do Corinthians/Guarulhos, que utilizou o CNPJ da extinta equipe do São Bernardo e conseguiu disputar a Taça Ouro mesmo sem ter jogado a Superliga B.

Taça Ouro para o Corinthians

Com um plantel estrelado, digno de Superliga A, o Corinthians teve poucos meses na montagem do seu elenco, que se iniciou após o término da Superliga 2016/2017, mas com um projeto ousado liderado pelo líbero Serginho, ex-Sesi, foi rápido na captação de atletas a nível nacional e internacional, e se tornou protagonista em uma disputa desleal contra 3 equipes que contam com orçamentos enxutos e sequer chegaram à final da Superliga B.

Nomes como o próprio Serginho; dos centrais Sidão e Riad, ex-Sesi; do levantador Rodrigo Ribeiro, ex-JF Vôlei; do oposto Rivaldo ex-Brasil Kirin; do ponteiro Bruno Canuto, ex- New Mater Volley (campeão da série A2 da Itália); do ponteiro Sérgio Félix, ex- / Maringá; entre outros, foram contratados pelo Corinthians/Guarulhos para disputa de apenas 3 jogos.

Com uma derrota de 3 a 2 sofrida contra o Caramuru/Castro e duas vitórias sobre Rádio Clube/AVP e Botafogo, o Corinthians/Guarulhos terminou com 7 pontos e terminou em 1 º lugar a Taça Ouro.

A tendência agora é de que grande parte do elenco permaneça, já que a Superliga era o maior objetivo da equipe. Como montou um plantel forte e com um bom poder de fogo, o Corinthians fez valer o favoritismo e venceu a Taça Ouro.

De um outro lado, mais uma vez notou-se a desorganização da CBV, que mais uma vez desvaloriza totalmente a Superliga B, deixando apenas uma vaga da Superliga por meio dessa competição, que é bem mais longa, organizada, e conta com mais equipes, e acaba cedendo as pressões de equipes que possuem recursos financeiros e que forçam a entidade a realizar um torneio de poucas equipes, poucos jogos, mas que contemple o favorito.

Por Gustavo Pereira